Fora

Muito já se falou. Outro tanto ainda se falará. O Brasil está fora da Copa. Caímos nas quartas-de-final. Desta vez, fomos derrotados pela Holanda. Aliás, uma seleção que já é velha conhecida nossa na competição. Já perdemos para eles e já os vencemos em outras edições do torneio. Desta vez, embora favoritos, perdemos. Acredito que faltou traquilidade, controle emocional. Permitimos uma virada no placar quando aparentemente tudo estava bem. Torcedores e imprensa imediatamente foram à procura de culpados. Vários foram apontados. Afinal, é preciso encontrar e responsabilizar alguém. Uma vez encontrado, parece que está tudo resolvido. Ou não é assim que agimos?

Espanha

Tida como uma das favoritas, a Espanha perdeu na estréia da Copa. E foi duramente criticada pela imprensa do país. Tive a oportunidade de gravar um vídeo, ao vivo, quando o apresentador de uma TV espanhola fazia uma chamada para um programa veiculado em seu país. Registrei o flagrante numa rua próxima ao estádio Ellis Park, em Johannesburgo. Indignado, ele perguntava: “o que se passa com a Espanha? Por que dependemos de uma vitória contra uma equipe como Honduras para seguir na competição? Veja esta e outras atrações no programa tal”. A partir daí a seleção espanhola deslanchou. Está na final da Copa do Mundo pela primeira vez. Teremos um campeão inédito. E mais, pela primeira vez na história da Copa, uma seleção da Europa vai conquistar o título fora do continente europeu.

Crime

O Brasil ficou chocado com mais um crime bárbaro. Desta vez, envolvendo um jogador do clube mais famoso do país. O goleiro Bruno, do Flamengo, é acusado de ser o mandante da morte da mãe de um filho seu. O crime teve requintes de crueldade. Como pode alguém acreditar que a morte da mãe seja a solução para não pagar pensão alimentícia? Na verdade, tem muito jogador que sai da favela e não tem estrutura emocional para administrar a vida depois da fama.

Picles

+ Com o Brasil e o Mundo vivendo o clima de Copa, o início da campanha eleitoral passou quase despercebido.

* Desilusão do eleitor cresce a cada eleição. Políticos têm a antipatia da maioria do povo.

+ Esta imagem negativa não será superada em pouco tempo. A reconquista da credibilidade terá que percorrer um árduo e longo caminho.

* Mas um dos grandes culpados é o próprio eleitor. Afinal, os eleitos saem do seio da sociedade.

+ Passada a Copa do Mundo, clubes de futebol de todos os continentes voltam à rotina.

* Nos alegramos quando surge um novo talento no futebol nacional. Mas o tempo de permanência de novos craques em nosso meio diminui cada vez mais.

+ E o torcedor brasileiro se contenta com a repatriação de mais alguns jogadores q