Utilidades

Utilidades em geral

Gaúcho

Expressões gaúchas II

0

Segue uma nova lista de Expressões Gaúchas:

Agüentar o tirão – Topar a parada, sustentar com brio uma opinião.
Andar como cachorro que roubou toucinho – Andar ressabiado, arredio, desconfiado. O mesmo que “Andar como cachorro que lambeu graxa“.
Andar cortando arame com os dentes – Andar sem dinheiro.
Cabeça de passarinho – Diz-se de pessoa distraída, leviana, desatenta, irresponsável .
Cair de costas – Ficar extremamente surpreendido com alguma notícia.
Cair na vida – Prostituir-se.
Chegar a jeito – Abordar o assunto com boas maneiras, na ocasião oportuna, a fim de conseguir o pretendido.
Cheirar a defunto – Haver perigo iminente de um conflito de conseqüencias graves.
Chorar pitanga – Queixar-se sem motivo. Lamuriar-se.
Cor de burro quando foge – Diz-se de uma cor, com intenção depreciativa.
Com o pé no estribo – Prestes a partir.
Dar com os burros n’água – Ser mal sucedido.
De orelha em pé – De sobreaviso, atento.
Desabar o tempo – Chover forte.
Elas por elas – Uma coisa pela outra O mesmo que na orelha, de mano, ou de mano a mano.
Embarrar o pastel – Estragar o que estava bom. Pôr um plano a perder.
Em cima do laço – Imediatamente, em seguida, ao pé da letra.
Entregar as fichas – Entregar-se, ceder, concordar.
Fazer a cama para os outros deitarem – Fazer uma coisa que outra pessoa venha a desfrutar.
Filho de tigre sai pintado – Tal pai, tal filho; o filho se assemelha ao pai.
Fincar as guampas no inferno – Morrer (aplica-se em relação a pessoa indesejável).
Há cachorro na cancha - Significa que há qualquer coisa atrapalhando a execução de determinado plano, assim como um cão na raia atrapalha a corrida.
Jogar de mano – Jogar em combinação de outrem, comprometendo-se, ambos, a dividirem entre si, igualmente, os lucros ou prejuízos. || Jogar um contra o outro, em igualdade de condições.
Juntar os trapos – Casar, amasiar-se.
Juntar o torresmo – Economizar, juntar dinheiro, enriquecer.
Lamber a cria – Permanecer o pai em casa mimando o filho recém-nascido.
Largar de mão – Desistir de um empreendimento. Abandonar. Não se preocupar mais com determinado assunto. “O velho, a conselho do médico, largou de mão o cigarro.”
Largar os cachorros – Passar descompostura, escorraçar.
Marcar na paleta – Anotar, assinalar, não esquecer o mau procedimento de determinado indivíduo.
Matar cachorro a grito – Andar sem dinheiro, estar na miséria, viver em grandes aperturas.
Meter a pata – Cometer gafe.
Murchar as orelhas – Aquietar-se.
Não levar qualquer um para compadre – Não aceitar a amizade ou a companhia de qualquer pessoa.
No mato sem cachorro – Em grandes dificuldades, em apuros.
Saber onde moram as corujas – Ser esperto, ser perspicaz, ter grandes conhecimentos.
Sentar o braço – Surrar, bater, espancar, esbofetear, esmurrar.

Twitter

A força do twitter no atendimento de clientes (banco Santander)

0

TwitterUm “twitt” e a primeira surpresa

Tudo começou no início do mês de setembro de 2010. Estava organizando as contas para pagar e programando os pagamentos, quando verifiquei que não havia imprimido o comprovante de pagamento de um boleto do mês anterior.

Pensei: se o pagamento foi realizado, então vou conseguir emití-lo nos “Pagamentos realizados”. Infelizmente eu estava errado. Apesar de aparecer no extrato o “débito” do valor, não conseguia encontrar o recibo. Acessei quase todos os menus disponíveis. “O tempo passava e a paciência diminuia”. Para encurtar a minha “saga”, acessei: Débito automático / consultar / Selecionei o tipo de conta: luz / Selecionei a empresa conveniada, informei uma data inicia, uma data final e a situação (ufa!). Tinha que saber/preencher o tipo de conta, a empresa conveniada, o período e a situação do débito. É, tudo isso para conseguir um  comprovante de “débito agendado”, cuja situação era “débito efetuado”, sem número de autenticação !!

Com a paciência praticamente esgotada e me dando por vencido, resolvi sugerir ao Santander uma melhoria no home banking. Não que isso resolveria o meu problema naquele momento, mas quem sabe em um futuro próximo ! Mas “falar” com uma secretária eletrônica que me solicitaria vários dados e me passaria para um atendente  escutar o que eu tinha a dizer, estava fora de cogitação “naquela altura do campeonato”. O que fazer então ? Mandar e-mail ? Mas onde se manda e-maill para o pessoal do desenvolvimento / produtos ? E mandar para quem ?

Então lembrei que eu já seguia o “@santander_br” no twitter e resolvi testar a eficiência deste canal. Twittei para eles, fazendo uma crítica ao serviço (não lembro mais exatamente o que eu escrevi). Logo depois recebi uma DM – Direct Message – dizendo:

@alemaoassmann Oi Alessandro!Se possível envie o nº do seu telefone p/:redes.sociais@santander.com.br,gostaríamos de conversar com vc. Abs

No mesmo dia, enviei os dados para o endereço de e-mail indicado. No outro dia, recebi uma ligação e foi quando me surpreenderam pela primeira vez ! Claro, que entre escutar, entender e realizar … existe muita incerteza ainda, mas o fato de terem se dado ao trabalho de ligar, saber do que se tratava e encaminhar para os responsáveis, valeu muito para mim ! O fato já era digo de registro.

Segunda surpresa

Até que em outubro (2010) tive outro problema e mais uma vez relacionado ao DDA – Débito Direto Autorizado. Não hesitei e reclamei novamente pelo Twitter:

Não entendo @santander_br : Se o DDA é para ser melhor, pq nem sempre funciona ? 2x vez em 6 meses q não recebo fatura e não aparece no DDA!

E recebi logo uma resposta:

@alemaoassmann Como vai Alessandro? Podemos verificar o que aconteceu, envie seus dados para:redes.sociais@santander.com.br. Um abraço

Enviei imediatamente o e-mail e expliquei detalhadamente o ocorrido e os motivos que me levaram a reclamar. Já no outro dia recebi uma ligação do bando Santander, onde fui informado que realmente ocorreu um erro na emissão do boleto e também no DDA neste mês e por isso não tinha aparecido no DDA. Mas que já estava tudo resolvido e no próximo mês estaria tudo normalizado.

Aproveitei a ligação, para ressaltar a situação do home banking e o atendente disse que havia sido encaminhada para o setor responsável.

As sugestões para o Home Banking

Uso débito automático (luz e água), agendamento para alguns boletos, pagamentos na hora (sem agendar) e o tal DDA – INFELIZMENTE boa parte das empresas ainda não o usa ! Geralmente programo o pagamentos (do que consigo) no início do mês, então, tenho agendamento de boletos e DDA agendados.

É uma confusão danada para mim emitir os recibos de pagamentos, pois tenho que ir no DDA, para consultar o que é DDA. Em pagamentos para emitir os comprovantes dos boletos. Em débito automático, para os débitos automáticos e assim vai ! Sem contar que para consultar se um débito foi feito (débitos automáticos), você precisa saber/preencher: tipo de conta, empresa conveniada, data inicial, data final e a situação. Você não tem como consultar “todos os débitos automáticos realizados em um período”, por exemplo. Você precisa preencer todos os campos !!

Minhas sugestões seriam:

1) No próprio extrato da conta corrente, poder acessar o recibo de pagamento/débito. Ao meu ver, seria uma facilidade e tanto consultar o extrato e já poder emitir o comprovante dali mesmo;

2) Poder consultar TODOS os pagamentos em apenas 1 lugar. Poderia-se complementar e fazer funcionar o que já tem lá. Por exemplo: Em pagamentos realizados, poder acessar tudo o que foi realizado em um determinado período e ser OPCIONAL filtros como forma (débito automático, DDA, agendamento, etc) e tipo de pagamento (cheque, boleto, cartão, etc).

3) Poder consultar TODOS os agendamentos em apenas 1 lugar. Assim como os pagamentos, pode consultar o que está para ser feito. Por exemplo: Consultar os débitos autmáticos, boletos e DDA que estão agendados em apenas 1 lugar !

Acredito que não seja nada tão complexo de se desenvolver ou então, melhorar. Realmente espero que isso seja, pelo menos, levado em consideração na próxima “reunião de desenvolvimento do home banking”.

Conclusão

Não é todo mundo, mas boa parte das pessoas só sabe reclamar do que não funciona, do que está errado e geralmente esquece de elogiar o que funciona e até quando é bem atendido(a). Inclusive eu, em setembro. Por isso é que resolvi registrar aqui o ocorrido e elogiar (aqui e no twitter) o atendimento recebido dos responsáveis pelo twitter do banco Santander. Parabéns, o atendimento realmente funcionou e foi rápido !!

Ah, obrigado pelo retorno pessoal !! Até agora funcionou mto bem o atendimento ! Parabéns ! @santander_br @SacSantander_br

Meu medo é que, assim como foi o telefone foi a anos atrás, seja agora o twitter. O telefone funcionava a tempos atrás, mas a procura foi tanta que buscou-se “automatizar” e “terceirizar” e ficou pouco eficiente. Será que o twitter seguirá o mesmo caminho ? Fica a dica ;-)

curriculo

Como divulgar o meu currículo no Google ?

2

Já falei mostrei aqui como fazer um currículo e o que é um currículo ou curriculum vitae. Várias pessoas cadastraram os seus currículos na Kombo e depois de cadastrados, resolveram criar um link para divulgá-lo com mais praticidade. Essa foi uma novidade que a Kombo disponibilizou GRATUITAMENTE no ano passado, para todos os seus usuários.

Os principais objetivos eram: Facilitar a divulgação do currículo do candidato na internet (orkut, twitter, msn, Skype, e-mail, etc), pois é mais simples passar um link para uma pessoa, do que um arquivo; e Facilitar a atualização destes dados, afinal, do que adianta ter todos os dados do candidato se estão desatualizados ?

Mas como fazer isso, protegendo a privacidade do usuário ? Garantir a possibilidade de contato entre o candidato e a empresa, mas não mostrar os seus dados de contato (telefone, e-mail, endereço) para qualquer um !

Assim que nasceu o “link externo” da Kombo, que permite ao candidato criar um link na internet, para divulgar o seu currículo. Esse link mostra os dados atualizados do candidato, conforme o seu cadastro na Kombo naquele momento. Passados alguns meses do seu lançamento, o currículo de diversos candidatos já é encontrado pela busca do Google !! Isso mesmo, além do próprio candidato divulgar o seu link (currículo), o seu currículo também pode ser consultado através do Google !!  O candidato passa a contar com mais um agente divulgador, o Google !!

Teste você mesmo. Acesse o site do Google (http://www.google.com.br) e pesquise o seguinte: site:kombo.com.br/meucurriculo ou então, simplesmente clique aqui e veja o resultado da busca.

Tudo bem, você é uma empresa e está  precisando de um “analista de sistemas”, basta você adicionar o termo na sua busca, que fica assim: site:kombo.com.br/meucurriculo “analista de sistemas” ou então, clique aqui e veja o resultado. Ou então, um assistente financeiro em Florianópolis  (ver resultado) … Bom, agora é com você.

Quer ver que o seu currículo seja encontrado pelo Google também ? O primeiro passo é cadastrá-lo na Kombo !!

DICA: Depois, você pode criar um perfil no “meadiciona” e colocar o link do seu currículo na Kombo lá, como eu fiz: http://meadiciona.com/ale


Sobre a Devolução dos valores pagos indevidamente ao FRJ

2

Como eu havia falado em outra ocasião (http://ale-sistemas.com/wp/2010/05/24/como-obter-descontos-no-registro-do-primeiro-imovel), o Cartório de Registro de Imóveis da Palhoça, reconheceu que eu tinha direito a isenção dos valores recolhidos ao FRJ (ver ofício no link anterior) e entrei com um pedido de restituição de valores do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Foi outra luta. Dei entrada no processo no dia 20 de maio de 2010 e somente no dia 10 de setembro de 2010 é  que o dinheiro foi devolvido, mas apenas uma parte ! É isso mesmo, outra surpresa (para mim) ! É que a escrevente do Cartório de Registro de Imóveis da Palhoça “não sabia” que a isenção da taxa de FRJ era apenas da parte financiada, ou seja, uma parte do valor da taxa de FRJ precisava ser paga, já que eu havia pago parte da casa com recursos próprios e do FGTS e não havia financiado toda ela.

Então, por conta disso, retifico o que eu havia falado anteriormente:

“A taxa de FRJ é devida no estado de Santa Catarina e a sua isenção abrange apenas o valor financiado. Isso quer dizer que, só se você financiou a totalidade do valor do seu imóvel e o financiamento for com recursos oriundos do SFH, é que você irá conseguir os 100% da isenção desta taxa. Caso você tenha pago parte do imóvel com recursos próprios e/ou usou o seu FGTS, sobre este montante, aplique a alíquota de 0,3% e você terá o valor devido ao FRJ.

e

Se você pagou indevidamente e precisa pedir a restituição … tenha paciência, que a coisa é devagar !”

Como obter descontos no registro do primeiro imóvel

42

Você sabia que toda a pessoa que adquirir o seu primeiro imóvel residencial e o mesmo for financiado pelo SFH – Sistema Financeiro da Habitação – (não somente pela Caixa), tem direito a 50% (cinquenta por cento) de desconto/isenção nos emolumentos pagos para registrar o imóvel no cartório. Se a compra tiver sido feita no âmbito do novo plano do governo – MCMV – Minha Casa Minha Vida – os descontos podem ser maiores !! E, em alguns municípios existem descontos no ITBI – Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis – também ? Clique aqui e veja quem já conseguiu !!

É, infelizmente são poucas as pessoas que sabem disso. Isso vale para todo o Brasil, já que a lei é federal !! E por isso é que resolvi escrever este artigo e pretendo, através do google, redes de relacionamento e também da sua colaboração, fazer com que mais pessoas saibam disso e algumas injustiças parem de ser feitas. Algumas pessoas já deixaram aqui no Blog os seus depoimentos de sucesso para a obteção dos descontos.

Partindo do princípio que você comprou o seu primeiro imóvel residencial (casa ou apartamento) e o mesmo foi financiado pelo SFH. Depois de assinar o contrato de financiamento, terá que levá-lo a registro, para enfim poder dizer que o imóvel é seu (e do banco) !! Então, veja como funciona o cálculo do ITBI e depois dicas sobre como solicitar os descontos no CRI – Cartório de Registro de Imóveis.

1. Prefeitura

Na prefeitura, os custos com o ITBI – Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis – variam de prefeitura para prefeitura. Cada uma possui suas regras. Algumas concedem descontos para o primeiro imóvel, independentemente se o mesmo foi financiado pelo SFH ou não. É o caso de Santo Cristo, no Rio Grande do Sul (minha cidade natal). Lá, a prefeitura cobra 2% sobre o valor venal do imóvel, mas se for o primeiro imóvel da pessoa, a alíquota cai para 1%.

Já na Palhoça/SC, o ITBI é calculado sobre o valor venal, pago à vista e também sobre a parte que foi financiada. O cálculo é:  2% sobre o que foi pago à vista e 0,5% sobre o que foi financiado. Isso, acaba incentivando a compra através de financiamentos.

São os 2 casos que eu conheço. Caso você conheça o funcionamento de outros lugares, fique à vontade para contribuir.

2. CRI – Cartório de Registro de Imóveis

Isso é lei, e todos os cartórios são obrigados a conceder tal desconto. Porém, infelizmente nem todos os cartórios divulgam isso, ou sequer questionam se é o primeiro imóvel da pessoa. Ou seja, quem não sabe ou não solicita, não ganha !

No caso de casas financiadas pelo SFH, a lei diz que: “(…)Os emolumentos devidos pelos atos relacionados com a primeira aquisição imobiliária para fins residenciais, financiada pelo Sistema Financeiro da Habitação, serão reduzidos em 50% (…)”;

No caso de casas financiadas pelo MCMV, a lei diz que: “(…)Não serão devidas custas e emolumentos referentes a escritura pública, quando esta for exigida, ao registro da alienação de imóvel e de correspondentes garantias reais, e aos demais atos relativos ao primeiro imóvel residencial adquirido ou financiado pelo beneficiário com renda familiar mensal de até 3 (três) salários mínimos. (…) 80% (oitenta por cento), quando os imóveis residenciais forem destinados a beneficiário com renda familiar mensal superior a 6 (seis) e até 10 (dez) salários mínimos; e 90% (noventa por cento), quando os imóveis residenciais forem destinados a beneficiário com renda familiar mensal superior a 3 (três) e igual ou inferior a 6 (seis) salários mínimos.(…)”

Precisa ser mais claro ? Não, né ? Mas, infelizmente, alguns oficiais tentam dificultar, pois a pessoa “precisa comprovar” a situação.

A comprovação de tal informação é algo que causa muita divergência. Alguns oficiais “entendem” que é necessário comprovar apresentando certidões negativas de imóveis, outros entendem que é preciso constar no contrato de financiamento, tal informação. Porém, não é o que diz a lei.

Os oficiais mais concientes, entendem que cabe a pessoa prestar tal informação. Entendem que uma simples declaração, escrita e assinada pelo proprietário declarando que este é o seu primeiro imóvel e que o mesmo se responsabiliza cível e criminalmente por tal informação, é suficiente para que o desconto seja concedido.

Pois é, mas e se a pessoa mentir ? Esse é um risco que se corre neste e em outros tantos casos. É o mesmo que aquelas pessoas que sacam o seguro desemprego, mesmo empregadas ou aquelas pessoas que estão “encostadas” pelo INSS, mas continuam trabalhando.

Com o novo plano do governo, chamado MCMV – Minha Casa Minha Vida, o desconto pode chegar até a 100% dos emolumentos, dependendo da renda familiar do comprador. Pelo que tenho acompanhado, a própria Caixa e seus correspondentes bancários é quem cuidam deste trâmite, de levar o contrato de financiamento para registrar no cartório e apenas “cobram” do comprador as custas. É uma boa opção, se fizerem as coisas certas.

O cálculo dos emolumentos é feito com base em uma tabela de preços, que leva em consideração o valor do imóvel e o valor que foi financiado, por isso não tem como se precisar o valor. Sugestão: Peça para  o(a) atendente lhe explicar o que você está pagando (composição do valor), para saber exatamente o que está pagando.

No meu caso, ao registrar a minha casa no cartório da Palhoça-SC, financiada pelo banco Santander (com recursos do SFH), perguntei se teria direito ao desconto e fui informado que isso não existia ali e que nunca existiu desconto para isso ! E, além dos custos de emolumentos (averbação e registro do financiamento), tinha averbações extras (alteração de razão social, inscrição imobiliária e cancelamento de hipoteca) que não eram de minha responsabilidade e ainda, pagar uma taxa de FRJ, que nunca havia visto (nem sabia que existia) ! Tive que correr atrás das leis e solicitar por escrito tais descontos, apresentando uma declaração com firma reconhecida, declarando que aquele era o meu primeiro imóvel residencial !

O resultado disso, foi que:

a) O Cartório de Registro de Imóveis da Palhoça teve que reconhecer (veja o ofício aqui) que  eu era beneficiário da isenção da taxa de FRJ e agora, encaminhei um pedido de restituição/devolução deste valor;

Atualizado em 13/09/2010: Veja como foi a restituição aqui: http://ale-sistemas.com/wp/2010/09/15/sobre-a-devolucao-dos-valores-pagos-indevidamente-ao-frj/

b) Consegui os 50% de desconto nos emolumentos para o registro, da minha parte. Mas tive que pagar a parte da Rodobens, caso contrário o registro não seria feito. Agora, tenho a receber R$ 191,70 da Rodobens.

Demorou um pouco, mas o registro saiu !! No dia 10 de maio de 2010, retirei o registro da minha casa e consegui economizar R$ 1.097,01 !

Essa informação foi útil para você ? Ela também pode ser útil para um amigo, pense nisso !

Qualquer dúvida, entre em contato. Meus contatos (e-mail, Skype, MSN, twitter, telefone) estão aqui: http://meadiciona.com/ale

—–

Se você comprou casa no Condomínio Terra Nova Palhoça, sugiro que cadastre o seu e-mail na lista (grupo) de e-mails dos moradores do Terra Nova Palhoça, para que seja avisado sempre que notícias surgirem. Para cadastrar, basta acessar http://groups.google.com.br/group/terra-nova-palhoca-sc e se cadastrar (cadastre um e-mail que você verifica com freqüencia e não esqueça de informar o número da casa) !

Atualização em 10/06/2010

Fontes: Art. 290 da Lei 6.015  e Art. 43 da Lei 11.977

Atualização em 30/11/2010 – Novidades !!

Confira alguns casos de sucesso aqui – http://ale-sistemas.com/wp/2010/11/30/quem-conseguiu-obter-desconto-ao-registrar-o-seu-primeiro-imovel/

Atualização em 15/02/2011 – Modelo de declaração, requerimento e leis

Eu economizei mais de R$ 1.000,00 !!! Então, para quem interessar, poderá adquirir um “kit” contendo:

- Modelo de declaração de primeiro imóvel (exigida em alguns cartórios/Registro de Imóveis, quando no contrato de financiamento não fala que é o primeiro imóvel do comprador);

- Modelo de requerimento para solicitar os descontos no cartório (Registro de Imóveis)

- Leis envolvidas no processo.

- Legislação do FRJ (taxa extra no caso de Santa Catarina).

OBS: O material não garante o desconto, pois as legislações locais/estaduais podem variar de local para local.

Então, para quem quiser, clique no botão abaixo para comprar o Kit. Você será direcionado para o site do MOIP, irá escolher a melhor forma de pagamento e então receberá o material.

Os emolumentos devidos pelos atos relacionados com a primeira aquisição imobiliária para fins residenciais, financiada pelo Sistema Financeiro da Habitação, serão reduzidos em 50%
Go to Top